Compartilhe!
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on Twitter0Share on LinkedIn0Pin on Pinterest0

Com o sucesso do serviço de streaming Netflix, empresas criam sistemas semelhantes para facilitar o acesso aos livros

Há alguns anos, era muito comum que as pessoas fossem atrás de livros apenas em bibliotecas. O hábito foi se perdendo aos poucos com o avanço da internet e dos sites de busca. A correria do dia a dia, unida às novidades tecnológicas, também influenciou as mudanças no modo de ler. Pensando nisso, algumas empresas têm investido em serviços que prometem facilitar a leitura. Há bibliotecas digitais ao pagamento de uma mensalidade e a possibilidade de compra de um livro específico em versão on-line.

O vendedor Lauro Rocha, 26 anos, resolveu adotar os novos métodos. Ele é usuário do sistema Scribd, que, ao lado do Oyster, é conhecido como uma espécie de “Netflix dos livros, porque ambos possibilitam a leitura on-line de obras. Membro do sistema há cinco anos, Rocha considera uma boa alternativa. Ele costuma usar o recurso para ler artigos científicos. Apesar de gostar do Scribd, em algumas circunstâncias prefere comprar o livro convencional. “Um livro é ainda muito mais fácil e interativo de se ler do que um arquivo digital”, defende.

Criado em 2007, inicialmente o Scribd era usado como um local de armanezamento de textos. Neste ano, o sistema lançou o streaming (transmissão direta por meio de um serviço) e versões para smartphones e tablets, em que o usuário pode começar a leitura pelo computador e continuá-la ao sair de casa, por exemplo, pelo celular. “O Scribd faz os leitores se sentirem em uma biblioteca. E a leitura de um livro atrai um próximo”, explica Trip Adler, CEO do Scribd.

O sistema tem um acervo com mais de 40 milhões de títulos de variados gêneros e línguas. A maior parte está disponível em inglês, mas é possível encontrar versões em português, como, por exemplo, da série Guerra dos Tronos de George R. R. Martin e A menina que roubava livros Markus Zusak. Alguns brasileiros também estão no sistema como a biografia de Getúlio Vargas, de Lira Neto, e Sentimento do mundo, de Carlos Drummond. Apesar de o Scribd ainda não ser muito conhecido no Brasil, é um brasileiro que figura na lista dos mais lidos do serviço. A obra O alquimista, de Paulo Coelho, está entre os favoritos dos usuários. Detalhe: o acervo do autor, que já até tuitou sobre o Scribd, está todo em inglês.

Com uma tecnologia bastante parecida, o Oyster, lançado no ano passado, oferece mais de 100 mil títulos para que os membros possam acessar de qualquer lugar a qualquer momento por uma taxa mensal. “Começamos a ver que esse serviço só estava disponível para músicas e filmes e ainda não existiam para livros. Quisemos criar uma melhor experiência de leitura”, revela o cofundador Eric Stromberg. Apesar de muito bom, uma das dificuldades do Oyster é que, como eles estão focados no crescimento nos Estados Unidos, ainda não há obras em português. Mas, para quem lê em outras línguas, é uma boa opção.

 

Alternativas nacionais

No Brasil, a deficiência no mercado de livros digitais ainda é grande. O mais conhecido é o site Domínio Público, que hospeda mais de 30 mil livros. No portal mantido pelo Governo Federal, as pessoas podem baixar livros gratuitamente, mas apenas obras antigas que já caíram no domínio público estão disponíveis.

A outra opção é buscar as livrarias digitais. Pelo menos dois sites prestam esse serviço no Brasil, o Gato Sabido, criado em 2009, e o novato Moby Dick Books. Em ambos, é possível localizar clássicos, best-sellers e lançamentos.

Para Leandro Barros, diretor de marketing da Moby Dick, essa experiência de comprar e ler livros em formato digital vem crescendo. “As pessoas não querem ter que andar com um leitor de e-book ou com um livro. Elas querem poder acessar de seu tablet ou celular. O mercado vai convergindo aos poucos a único dispositivo”, explica.

Apesar do número de vendas dos livros digitais ter aumentado, Barros reconhece que esse ainda não é fim das obras em papel. “A gente vende muito mais atualmente. Mas essa chave só vai virar de verdade quando o grande público começar a ter mais acesso aos dispositivos móveis. Ainda assim, a gente não pensa que isso vai gerar um conflito ou matar o papel”, analisa Barros.

 

Os serviços

Scribd: Mensalidade de US$ 8,89 e acesso ilimitado ao acervo
Oyster: Mensalidade de US$ 9,95 e acesso ilimitado ao acervo
Domínio Público: Acesso gratuito ao acervo disponibilizado do governo
Gato Sabido: Portal de comercialização de e-books
Moby Dick Books: Portal de vendas de livros digitais

 

Título original: Canais da biblioteca virtual

Publicado originalmente por Adriana Izel no Diário de Pernambuco

Dê seu voto
Compartilhe!
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on Twitter0Share on LinkedIn0Pin on Pinterest0
eBook grátis Como transformar ideias em livros de sucesso