Compartilhe!
Share on Facebook11Share on Google+2Tweet about this on Twitter0Share on LinkedIn1Pin on Pinterest0

O dia amanheceu com milhares de órfãos agora que acabou de acabar a quarta temporada do seriado Game of Thrones. Mesmo com o calor da Copa e apesar da final de temporada da NBA, o final conseguiu espaço para continuar a repercutir nas redes sociais. Para quem acompanhou a temporada, isso não causou espanto algum, afinal, alguns episódios conseguiram se manter como o principal assunto da semana em todo o mundo. Para se ter uma ideia, existem sites especializados em vender informações que estão nos livros e que ainda não foi para a TV. Sim, por incrível que possa parecer, muita gente paga por “spoilers” do seriado. Por essas e por outras, a saga é obrigatória para quem vive de contar histórias – basicamente qualquer pessoa que trabalha com comunicação.

Quem não gostaria de deixar sua audiência hipnotizada durante a transmissão de sua mensagem e, ao final, deixar aquele gostinho de “quero mais”? Qual marca não preferiria ao invés de ter que pagar para veicular suas mensagens, ter milhões de fãs pagando para ouvir o que ela tem a dizer?

A verdade é que não existe um “segredo guardado a sete chaves”, algum saber oculto que só o autor conhece. Ir além de uma ‘boa história’ e realizar uma ‘história épica’ é simples e os livros que inspiram o seriado – As Crônicas de Gelo e Fogo – ilustram com muita clareza como fazer para tornar a sua história num grande fenômeno.

A grande chave é entender e aplicar a diferença entre Story e Telling. No caso de Game of Thrones, o autor George RR Martin criou 12.503 de Story. Se Storytelling fosse uma árvore, o Story seria a raiz, aquilo que quase não aparece… mas que dá suporte e nutrientes ao tronco. A saga ainda não está completa, ainda faltam os últimos dois livros, mas a partir dos primeiros cinco é possível prever quantas páginas faltam até o final.

Considerando que cada último livro tenha entre 900 e 1000 páginas podemos afirmar que o autor reservou cerca de 6 mil páginas de Telling. Em breve o autor vai lançar o sexto livro – Winds of Winter – que entra no terceiro ano narrativo. Ou seja, de mais de doze mil e quinhentos anos de história, a saga narra ‘apenas’ os últimos três.

Seguindo essa lógica, toda vez que uma marca for criar um comercial, por exemplo, ela deve pensar que para cada trinta segundos de tela, ela deve pensar pelo menos três horas de história. Uma coisa é certa: material não vai faltar. Feito com atenção, pode até ser o início de um épico de décadas… por que não?

 

Publicado originalmente no Storytellers

Como fazer uma história épica baseada em Game Of Thrones
Dê seu voto
Compartilhe!
Share on Facebook11Share on Google+2Tweet about this on Twitter0Share on LinkedIn1Pin on Pinterest0
eBook grátis Como transformar ideias em livros de sucesso