Compartilhe!
Share on Facebook7Share on Google+0Tweet about this on Twitter0Share on LinkedIn0Pin on Pinterest0

Causou espanto a muita gente as recentes demissões na livraria cultura e fico me perguntando o porquê.

Livrarias vendem livros como farmácias vendem analgésicos e camisinhas, como padarias vendem pães e cigarros.

Livrarias tratam os livros como produtos e não estão erradas nisso. Estão erradas em tentar convencer seus clientes que estão só preocupadas com o saber ou com a informação.

Nas vitrines, os mais vendidos, os mais bem relacionados na lista da veja ou ainda os de futebol na época de copa, os fofinhos para o dia das mães, meiguinhos para o dia dos namorados. E muita auto ajuda, claro! O livro é um produto e como tal é tratado.

Tempos atrás liguei para um livreiro oferecendo um livro independente que havia acabado de produzir. Ele disse: claro, com prazer! trabalhamos com 50%.

Seco assim, sem beijinho, abraço, vaselina ou ver do que se tratava.

50% é o quanto ele fica do preço de capa.

Se eu ou a editora pagamos pela produção, pela impressão, pela entrega na loja, não importa. O fato de ele colocar meu livro em algum lugar perdido em suas prateleiras já vale os “50tinhas”.

Se vc quiser seu livro na vitrine, num totem, num destaque qualquer o que acontece? Claro, você paga.

E livraria não compra. Recebe tudo em consignação, vende e acerta depois.

Negocião!

Livrarias, as grandes livrarias, foram para os shoppings, servem café e pãozinho de queijo. Têm espaços para pequenas palestras, lançamentos e para crianças folhearem livros espreguiçados em almofadas coloridas nos sábados de manhã quando pais não sabem o que fazer com elas.

Espaços assim o macdonalds também tem, mas livrarias atraem pessoas que acreditam ainda no poder das palavras escritas umas atrás das outras. Acreditam que livros podem fazer a diferença e têm uma fé cega neles como os hipocondríacos que visitam farmácias numa crença quase religiosa.

Posso estar sendo um pouco injusto. Eu mesmo adoro livrarias e frequento esses carrefours dos livros onde você encontra tudo. Às vezes, compro. Às vezes, anoto os nomes, editoras e encomendo pela amazon pela metade do preço. Tem que esperar um pouco mas nem tudo é como a gente quer…

E pra quem gosta de livros, bacana são as pequenas livrarias e, em especial, os sebos. Aqueles onde o dono te atende e fala dos livros que vende porque os leu. Conhece autores, conhece o vendedor da editora, sabe de edições anteriores, vai direto com a mão no exemplar que vc pediu porque sabe onde está.

Continua sendo livro, continua sendo produto, continua sendo negócio mas é como bolo de vó cheio de um carinho que você merece.

 

Fonte: Blog do Orlando

 

 

Dê seu voto
Compartilhe!
Share on Facebook7Share on Google+0Tweet about this on Twitter0Share on LinkedIn0Pin on Pinterest0
eBook grátis Como transformar ideias em livros de sucesso