Compartilhe!
Share on Facebook63Share on Google+1Tweet about this on Twitter0Share on LinkedIn35Pin on Pinterest1

Profissionais de propaganda estudam, se aperfeiçoam, buscam conhecimento acadêmico, de mercado e investem tempo e dinheiro em sua formação. São competentes no que fazem porque investem pesado nos melhores equipamentos e treinamentos constantes.

Profissionais de propaganda vão para o mercado esperando que o diferencial seja a qualidade do trabalho proposto e não somente o preço cobrado para o cliente.

Aí o filho mais novo da vizinha fica todo animado com o computador que ganhou no natal, baixa um “Coréudral” no emule, instala o “fotochóp” que conseguiu no camelô por “dezmirré” e vai fuçando e mostrando pra mãe o que já sabe fazer. A mãe, para não desapontá-lo, é claro, diz: “ficou lindo, filho! Você desenha muito bem”.

Rapidamente o garoto passa a acreditar realmente que é um designer gráfico, um diretor de arte.

Nunca estudou composição de cores, processos gráficos, história da arte, tipografia, não tem a menor idéia do que agências de propaganda e profissionais de criação conquistaram no mercado até agora.

Um dia ele aprende a colocar efeito nas suas fotos através de um tutorial que encontrou no GOOGLE e pensa: sou um “proficional”.

O pai do rapaz enxerga longe e já pensa numa forma de resgatar o investimento que fez no natal quando comprou o computador. Na verdade, ele também quer arrumar uma forma do menino parar de coçar o saco o dia todo na Internet. Começa a espalhar para seus amigos que seu filho agora é “web design” e tá fazendo uns cartões de visita, umas “logomarcas”, uns panfletos, e cobra baratinho… “Dez real”, diz o pai todo contente quando um amigo pergunta por quanto que o garoto faria uma identidade visual completa para a loja que está abrindo.

A fama do garoto se espalha e pinta o primeiro grande trabalho para ele fazer: um folder para o salão de beleza do bairro, que por acaso é da tia dele.

O garoto mesmo é quem cria os “têstos”, pega umas imagens de umas modelos bonitas na Internet. Não tem problema se a imagem tem 180 x 180 pixels, ele estica para caber na capa do folder. Utilizou quase todas as fontes que tinha instalado no computador. “É uma obra de arte!”, disse o pai do menino quando foi levar o “leiaute”, impresso na multifuncional que veio junto com o computador. A dona do salão fez um pedido grande: 1000 folders coloridos com aquele brilhinho que a gráfica coloca no papel.

Quando o material chegou, ela achou que ficou um pouquinho diferente do que tinha visto na tela do computador. Não tinha as mesmas cores, mas deixou assim mesmo; tinha alguns errinhos de português (muitos, pra falar a verdade); a foto ficou embaçada, mas já tinha pago pelo serviço e não queria arrumar confusão com a irmã, mãe do “web design”.

No salão, ninguém gostou do folder e também não tinham coragem de falar para a patroa. Os clientes até aceitavam levar para casa, mais por educação que por interesse.

A dona do salão não entendeu porque seu material de propaganda não dava resultado. Ela queria um folder igual ao do concorrente, era tão bonito que dava vontade de colecionar.

Neste mesmo folder, tinha visto a assinatura da agência que o criou e ligou para saber quanto custaria fazer aquele material para o salão dela também. Ela achou um absurdo quando o designer quis cobrar só pela criação o que o sobrinho dela faria incluindo tudo: arte e impressão.

Ela disse que conhecia alguém que sabia mexer no computador também e pagaria bem menos já com tudo impresso.

Agora, depois dos folderes prontos e impressos, ela está pensando em refazer o trabalho com o cara da agência mesmo.

 

Moral da história: Profissionalismo e experiência. Não peça de graça a única coisa que posso vender.

Dê seu voto
Compartilhe!
Share on Facebook63Share on Google+1Tweet about this on Twitter0Share on LinkedIn35Pin on Pinterest1
eBook grátis O manual secreto do marketing