Compartilhe!
Share on Facebook16Share on Google+2Tweet about this on Twitter0Share on LinkedIn0Pin on Pinterest0

De lá pra cá, muita coisa se passou. Os livros se tornaram baratos, passaram a contar todo tipo de história e adotaram novos formatos. Com a tecnologia, vieram os e-books e livros animados. E eu me arrisco a colocar uma nova data na cronologia da leitura como conhecemos: março de 2014 – lançamento do Spritz. Aplicativo de leitura rápida lançado pela empresa norte-americana de mesmo nome, o Spritz promete permitir a leitura de até mil palavras por minuto. Nesse ritmo, é possível ver a bíblia de Gutenberg em módicas 13 horas.

Mas como ele faz isso? A ideia defendida por seus desenvolvedores (que passaram três anos estudando o modo como lemos) é que se fixarmos os olhos em apenas um ponto focal e mostrarmos todas as outras palavras naquele ponto, conseguimos agilizar nossa leitura pois o cérebro processa automaticamente o significado daquela palavra, entendendo no máximo 13 caracteres por vez. Conhecida como RSVP (Apresentação Visual Rápida e em Série), a técnica em si não é nova, mas é a primeira vez que ela é adaptada para telas pequenas.

Esta tecnologia deve chegar nas mãos do consumidor final através de uma parceria com a Samsung, que trará o app no novo Samsung Galaxy S5 e no smartwatch Samsung Gear 2. O conceito de leitura dinâmica não é novidade. Os primeiros cursos surgiram no começo do século XX, ensinando técnicas diversas. Há quem defenda que uma coluna menor ajude a ler mais rápido, e quem diga que é preciso ir pulando linhas para entender toda a ideia do livro ou apresente pontos focais na página como suficientes para a leitura.

Hoje é ainda mais fácil ter contato com algumas destas técnicas: basta procurar na sua loja de aplicativos que você encontrará diversos apps que prometem aumentar consideravelmente sua velocidade de leitura. Mas com o Spritz é a primeira vez que uma grande empresa realmente compra a ideia. Sua vantagem em relação aos outros apps e métodos de leitura dinâmica é o fato de ser muito fácil de aprender. Os desenvolvedores defendem que é possível começar a ler com Spritz com um treino de apenas cinco minutos, e que mesmo que você passe um mês sem usar o app, certamente conseguirá ler novamente sem precisar de qualquer treinamento.

Desenvolvido especificamente para leituras em pequenas telas, como os smartphones, o Spritz tem a imensa vantagem de ser totalmente pensado para as novas tecnologias. Você não precisa ficar arrastando a página para baixo pra conseguir finalizar a leitura de uma coluna. O Spritz apresenta todas as palavras do texto em um único ponto, permitindo uma leitura rápida a qualquer instante. A novidade despertou sentimentos opostos. Alguns amaram sua praticidade e rapidez.

Outros já defendem que ele vai tirar todo o prazer da leitura. Normalmente os que se enquadram na segunda opinião são os mesmos que não gostam muito dos e-books e defendem o livro em papel. Essa é uma discussão que está longe de terminar, e certamente não será o Spritz quem dará a palavra final. Em uma entrevista, o fundador e executivo-chefe da empresa, Frank Waldman, explica que um bom uso do app seria para ler seus e-mails através de um smartwatch.

O objetivo do Spritz é ajudar a realizar mais rapidamente tarefas chatinhas do dia-a-dia para ter mais tempo para fazer o que quiser, como ler um bom livro com calma ou passear com a família. A tecnologia vem apresentado diversas novidades referentes ao mundo da leitura. Basta uma rápida pesquisa para encontrarmos livros animados para crianças, leitores on-line, redes sociais sobre livros e até mesmo os apps que ajudam a ler mais rápido. O mercado editorial também passa por mudanças.

Antes os autores dependiam exclusivamente das editoras para suas criações chegarem ao mercado. Hoje eles podem lançar seus livros em versão digital, o que diminui drasticamente seu custo. Existem também mais formas de se apresentar para o grande público. O app Wattpad, por exemplo, permite que qualquer pessoa crie histórias e as disponibilize por capítulos. Os escritores amadores alcançam números impressionantes, muitos têm mais de um milhão de leitores fieis acompanhando suas narrativas.

O Wattpad tem atualmente 2 milhões de escritores que produzem em média 10 mil textos por dia para seus 20 milhões de leitores. Este é uma iniciativa que prova dois fatos: primeiro, que as pessoas querem e gostam de ler; e segundo, que a tecnologia pode sim incentivar o gosto pela leitura. Esta é uma discussão que não pode ter apenas dois pontos de vista. Trabalhar apenas com “contra” ou “a favor” da tecnologia no processo de leitura minimiza os diversos exemplos e argumentos existentes. Precisamos pensar em como um pode ajudar o outro a continuar e entender que existe espaço para todos os tipos de leitura.

Publicado originalmente por Lucas Longo no O Debate

Pode-se mudar a forma de ler?
Dê seu voto
Compartilhe!
Share on Facebook16Share on Google+2Tweet about this on Twitter0Share on LinkedIn0Pin on Pinterest0
eBook grátis Como transformar ideias em livros de sucesso