Mercado de livros digitais cresce no Brasil em razão do seu baixo custo

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Numa época em que tudo é digital, não poderia demorar para que os livros aderissem a essa tendência. Afinal, para ouvir uma música hoje não é mais preciso comprar um CD, só é preciso baixar pelo computador. E com o crescimento do mercado de e-books e baixos preços dos livros digitais, o número de obras digitais deve crescer cada vez mais.
Hoje, os livros digitais representam 22% dos gastos no mercado norte-americano. No Brasil, o número de livros digitalizados é de 11 mil.
“O que está impulsionando os livros digitais no Brasil é a presença da Amazon com seu profissionalismo”, afirmou Noga Sklar, editora da KBR. Ela ainda acrescenta que livros digitais “são uma tendência que já se verifica nos Estados Unidos, como a logística do e-book é bem mais simples a edição digital sai antes. Muitos títulos saem apenas em e-book por questões de interesses diversos em direitos autorais”.
“O livro em e-book tem um custo de produção menor e isso é uma porta de entrada, principalmente, para novos autores. Eu acredito que best-sellers, autores renomados, continuarão lançando seus livros tanto na versão impressa quanto na versão digital, mas a versão digital ajuda a popularizar”, afirmou Antonio Carlos, da Digital Books Editora. “Creio que seja uma tendência, apesar que estamos muito no começo ainda”, acrescenta.
Antonio Carlos ainda diz que “algumas editoras tradicionais tem resistido a isso [digitalizar os livros]”, mas afirma que apostar em livros virtuais “é inevitável”.
Sobre a importância de apostar em livros digitais na era virtual, Noga acredita que é uma “Importância total. Não só pela revitalização e democratização do hábito da leitura, como para não ficar atrás da demanda do mercado. Quem não virar digital tenderá a desaparecer”.
“Ele [o livro digital] vai popularizar a leitura, porque ele é mais barato. Acredito que o livro digital vai começar a trazer alguns conteúdos de multimídia que o livro impresso não traz. Também melhora a aceitação do costume literário para as pessoas que não têm o costume de ler. Acredito que vai ser uma nova abertura, uma nova possibilidade de as pessoas lerem. E a literatura, de qualquer forma, é uma porta de entrada para a evolução educacional do país”, afirmou Antonio Carlos.
Ambas as editoras oferecem a edição digital. Elas cobram para dar ao livro um ISBN, uma capa e uma comercialização na Amazon, na Livraria Cultura virtual e na Saraiva.com.br, entre outras lojas.
Outro exemplo de produto digitalizado é a HQ do roteirista Brian K. Vaughan e do desenhista Marcos Martín. The Private Eye foi lançada diretamente em versão digitalizada e é o próprio leitor que decide quanto vai pagar pelo produto, ou se não vai pagar nada. Mas os autores afirmaram que só vão continuar com o projeto caso o retorno financeiro possa bancar sua produção. A sugestão de preço dos autores é de 99 cents (R$2).
 
Fonte: Portal Imprensa
 
 

Como foi sua experiência?

Receba nossos melhores conteúdos sobre lançamento.