Senado da França aprova por unanimidade lei ‘anti-Amazon’

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Empresa não poderá vender livros com descontos de 5% e frete gratuito por prejudicar livreiros menores
O Senado da França aprovou ontem, por unanimidade, um projeto de lei que proíbe revendedores de livros por e-commerce de acumular dois benefícios ao consumidor: descontos generalizados de 5% sobre o preço de tabela de cada exemplar e a entrega gratuita. O texto não faz referências específicas, mas tem alvo certo: Amazon. Nos últimos 10 anos, a empresa americana conseguiu abocanhar 80% do mercado de livros vendidos pela internet oferecendo as duas vantagens: redução de preço e entrega gratuita.
A decisão do Senado foi aprovada por unanimidade. Desde 1981 a legislação fixa o preço dos livros na França ao valor estabelecido por seus editores. Ao vendedor, cabe o direito de conceder no máximo 5% de desconto. A lei vigorou sem contestações até o comércio eletrônico se intensificar, nos últimos 15 anos. Ao chegar à Europa, a Amazon trouxe consigo a mesma política dos Estados Unidos: a entrega gratuita.
Na prática, o gigante do e-commerce americano se igualou em condições às livrarias físicas e aos livreiros independentes, com duas vantagens: a facilidade de encontrar um livro e a comodidade de recebê-lo em casa, sem custos adicionais.
O resultado foi um crescimento avassalador das vendas, com a generalização da internet e de smartphones. Em 2013 o mercado conquistado pelas livrarias digitais chegou a 17% – e 80% do total cabe à Amazon, que supera a francesa Fnac.
Crise. Com isso, 3,5 mil livrarias e livreiros independentes da França – a maior densidade do mundo por habitante – sofrem a concorrência. A crise gerou protestos, e o Ministério da Cultura do governo socialista de François Hollande elaborou o projeto de lei para “equilibrar” comércio digital e físico. O resultado foi o texto aprovado ontem.
Embora a medida tenha impacto direto para o consumidor, que pagará mais, a ministra da Cultura, Aurélie Filippetti, comemorou. “Esta lei não existe para travar a venda de livros online, mas para garantir uma concorrência justa”, argumentou a ministra pelo Twitter.
Ao jornal Le Monde, Guillaume Husson, delegado do Sindicato de Livrarias Franceses (SLF), menosprezou o aumento de preços para a Amazon. “A lei é um símbolo muito poderoso, se lembramos que a propaganda da Amazon e da Fnac gira essencialmente em torno da gratuidade”, entende. “Mas o livro será sempre mais caro na livraria do que na internet.”
A Amazon lamentou a decisão. “Toda medida visando a aumentar o preço do livro na internet penaliza antes de mais nada o consumidor francês, reduzindo seu poder de compra”, respondeu a empresa.
 
Publicado originalmente por Andrei Netto no Estadão

Como foi sua experiência?

Receba nossos melhores conteúdos sobre lançamento.