Era uma vez um mercado de ebooks

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Esta história está apenas começando e muita coisa ainda vai acontecer. Se a personagem chapeuzinho vermelho parece representar os leitores perdidos no meio de uma floresta nova e misteriosa (ebooks, epubs tablets, ereaders etc), as editoras também podem ocupar o lugar da velhinha, que aguarda a chegada da netinha. O próprio lobo mau poderia ser representado pelos grandes grupos editorias ou os gigantes digitais de venda direta na web.
Mas os tempos são outros e todos já sabemos que a realidade não se divide mais entre o bom e o mau.
Os leitores atuais são exigentes e sabem o que querem. Por causa da variedade de oferta e de tipos de produtos, sabem escolher melhor o que compram e avaliar os preços que estão pagando.
E em termos de oportunidades de títulos editoriais e bons preços, a história dos livros em versão digital mais parece a fábula da lebre e da tartaruga.
É claro que os aplicativos são a lebre da história, oferecendo opções atrativas, multimídia, e a preços baratíssimos, para não falar de versões grátis que alcançam milhões de downloads.
Dizer que as pessoas não querem gastar com livros é bobagem, pois nunca se teve tanta informação disponível e se leu tanto na internet.
Mas o que encontramos de opções baratas de livros digitais são apenas de autores antigos e disponíveis gratuitamente ou títulos que já caíram no domínio público.
A oportunidade de aproveitar este mercado crescente parece ser grande e oportuna para países com problemas de educação e acesso a leitura como o Brasil.
E o final deste conto não precisa terminar mais na hora de fechar o livro.
Com a internet acessível por computadores, lan houses e celulares, podemos aproximar leitores e autores de qualquer parte do mundo.
É a chance de usar o poder da web e das redes sociais para fazer isso de forma criativa e direta, sem tratar o livro como objeto isolado e fechado.
É quase como se o mundo de ficção pudesse estender suas asas para outro universo, permitindo maior troca de ideias, diálogo e interação direta.
Podemos estender as possibilidades da história contada pra outros campos (produtos, aplicativos, objetos, vídeos, sites, outras áreas de criação).
Vemos nos grandes sucessos atuais de livros, filmes e novelas que tudo acontece em várias mídias, pois as pessoas gostam de se envolver, torcer e sofrer com as personagens preferidas.
Se a internet aproxima tanto editores, livrarias, autores e leitores, deve existir muitas oportunidades de aumentar a oferta e baratear custos para todos. Assim mais gente pode ler e escrever, e mais fácil será distribuir e publicar novos títulos e autores.
Como nos contos em que brinquedos tomam vida de repente, os livros talvez queiram continuar contando histórias, mas também sonhem em falar, cantar, pular e dançar.
Ou de serem lidos de qualquer forma e em qualquer tela, em pé, na rua, no trem, no escuro.
Digital ou impresso o valor da literatura ainda continuará dependendo da palavra escrita e da história bem contada.
 
Fonte: Roberto Tostes
 
 

Como foi sua experiência?

Receba nossos melhores conteúdos sobre lançamento.