Compartilhe!
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on Twitter0Share on LinkedIn0Pin on Pinterest0

O segmento de Obras Gerais foi o grande destaque de 2012 do setor editorial. O ano foi marcado por mais apostas dos editores em lançamentos do que em reedições. Em termos de mercado, 2012 registrou o primeiro crescimento real de vendas ao mercado desde 2008. Ao todo, foram vendidos 434.920.064 exemplares, o que gerou um faturamento de R$ 4.984.612.881,04.

Essas são algumas das informações contidas na pesquisa “Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro”, que aferiu os dados do mercado referentes ao ano de 2012. A pesquisa é realizada anualmente pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE/USP) sob encomenda do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e Câmara Brasileira do Livro (CBL).

O resultado, divulgado no dia 30 de julho na sede do SNEL, no Rio de Janeiro, revelou que o crescimento nominal do setor editorial brasileiro em 2012 foi de 3,04%. Esse percentual significa um decréscimo real de 2,64%, considerada a variação de 5,84% do IPCA em 2012. Contudo, desconsideradas as compras feitas pelo governo, o crescimento apurado foi de 6,36%, o que significa um aumento real de 0,49%, o primeiro registrado desde 2008.

Esses números indicam que o mercado, em 2012, para o setor, foi mais contido em relação a 2011, porém, apontam para uma estabilidade no consumo de livros no país.

 

Obras Gerais

Ao contrário do ano de 2011, no ano passado, o subsetor Obras Gerais aumentou em 7,65% suas vendas para o mercado, o que significa um total de 108.951.867 exemplares vendidos. Também houve um aumento do número de exemplares produzidos em Obras Gerais em 8,24%, totalizando 116.813.030 unidades, o que confirma o sucesso do segmento.

Já os Religiosos, vedetes em 2011, em 2012 tiveram uma queda de 19,18% no total de exemplares vendidos. Também as vendas para o Governo, ao todo, registraram uma redução de 10,31% no ano passado em relação ao ano retrasado: 166.355.660 exemplares vendidos. Já no segmento dos Didáticos, houve uma queda de 11,09% de exemplares vendidos para o mercado.

Em 2012, foram lançados 93.204.240 novos exemplares, o que representa um aumento de 3,43% em relação a 2011. Ao mesmo tempo, as reedições apresentaram uma retração de 4,30% no ano passado em relação ao ano retrasado.

 

Preço médio

No total, o número de exemplares vendidos diminui em 5,43% se considerarmos apenas as vendas ao mercado, e 7,36% se considerarmos também as vendas ao Governo. Isso significa que o preço médio do livro cresceu 12,46% em 2012 considerando apenas as vendas ao mercado, interrompendo a queda contínua que vinha sendo observada desde 2004. Ainda assim temos um preço médio em termos reais 41% abaixo daquele vigente em 2004. Além disso, em Obras Gerais, o preço médio ficou estável em termos nominais (de 8,93 para 8,94), o que em termos reais significa uma queda.

 

Livrarias

As livrarias continuam sendo o principal meio de venda de livros no Brasil. Esse canal de comercialização registrou um aumento de 44,90% para 47,42% na sua participação no mercado. Isso gerou um faturamento de R$ 2.251.232.130,30 para o segmento, montante que corresponde a 61,36% de participação no mercado.

 

E-books

A venda de e-books no Brasil aumentou em 3,5 vezes de 2011 para 2012, mas o valor total das vendas ainda é insignificante – menos de 0,01% do faturamento do setor.

 

Publicado originalmente no site da SNEL

 

 

Obras Gerais se destacam em ano em que mercado aposta em novos títulos
Dê seu voto
Compartilhe!
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on Twitter0Share on LinkedIn0Pin on Pinterest0
eBook grátis Como transformar ideias em livros de sucesso