Livros voltam a ganhar espaço no lazer do brasileiro

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Valorizada, a leitura é destaque na pesquisa que mostra avanço nas principais atividades culturais no país
De acordo com pesquisa da Fecomércio (RJ) sobre os hábitos culturais do brasileiro, a leitura de livros surge como a atividade cultural mais praticada no país em 2013. Segundo o estudo, a leitura conquistou um percentual de 35% dentre os entrevistados, ficando à frente de outras atividades como cinema (28%), apresentações musicais (22%), peças de teatro (11%), exposições de arte (8%) e espetáculos de dança (7%). Desde o início do levantamento realizado pela Fecomércio, em 2007, a leitura de livros tem se destacado como atividade cultural mais citada entre o público.
De acordo com o economista Christian Travassos desde o início do levantamento, em 2007, a leitura de livros tem se destacado como atividade cultural mais citada entre os entrevistados, mas sob oscilações ao longo do período. Com crescimento econômico acima da média recente, o ano de 2010 havia registrado os melhores resultados em termos de adesão à cultura, não mantidos em 2011 e 2012. No ano passado, porém, houve uma retomada, em graus distintos, da maioria das atividades. Sucessos editoriais que se popularizaram no país no último ano, promoções culturais e parcerias entre empresas no segmento cultural contribuíram nesse processo.
Mesmo com o crescimento recente, mais da metade dos brasileiros que não leram nenhum livro no ano passado (59%) disseram não ter o hábito da leitura. Em seguida, 32% afirmaram que não gostam de ler ou que preferem outras atividades culturais. Com menor relevância, 7% informaram que não podem pagar ou acham caro os preços dos livros.
Em 2013, entre os que não leram livros (65%), 55% disseram não possuir o hábito da leitura. Em seguida, 31% afirmaram que não gostam de ler ou preferem outras atividades culturais. Com menor relevância, 11% informaram que não podem pagar ou acham caro os preços dos livros.
A principal razão apresentada pelos brasileiros para não frequentarem atividades culturais continua sendo “falta de hábito” e o fato de não gostar (ou preferir outras atividades). O preço não é o principal motivo. O custo da atividade aparece apenas na terceira posição entre os motivos que distanciam o brasileiro de atividades culturais. Para os 49% que não usufruíram de nenhum programa cultural no ano passado, os principais meios de lazer citados foram assistir TV (52%), seguido por ir a centro religioso (15%), fazer um almoço com amigos (8%), ir a barzinhos e jogar futebol (ambos com 6%).
A pesquisa abordou também o quanto os entrevistados estão dispostos a desembolsar por algum produto ou serviço. O valor médio respondido foi de cerca de R$ 26 para ir a show de música ou comprar um livro. Já para adquirir um CD ou DVD, os consumidores não estariam dispostos a pagar mais do que R$11 e R$12, respectivamente. Para o levantamento da Fecomércio RJ/Ipsos Hábitos Culturais do Brasileiro foram entrevistadas mil pessoas em 70 cidades, incluindo nove regiões metropolitanas. A pesquisa tem como objetivo acompanhar o acesso do brasileiro às atividades culturais mais populares no país e gerar subsídios para incrementar essa adesão.


 
Publicado originalmente no jornal O Tempo

Como foi sua experiência?

Receba nossos melhores conteúdos sobre lançamento.