Os nativos digitais não gostam do papel

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Em 1991, o instituto de pesquisas Pew Research Center perguntou pela primeira vez aos americanos se eles liam jornais. Naquele ano, 56% dos entrevistados disseram que sim. Em 2012, este número caiu para 29%.
A rejeição dos jovens ao impresso talvez seja o principal fator responsável pela queda brusca da última década. Hoje, ainda segundo dados do Pew, a leitura de jornais cai de 16% entre os americanos em torno de 40 anos para 6% para aqueles na casa dos 20. No entanto, este número sobe para 30% entre os americanos de 50 a 64 anos e para 48% no grupo acima de 65.
 

Mudanças à vista

Há alguns anos, o Washington Post fez uma pesquisa para descobrir por que o número de assinantes com menos de 45 anos era tão baixo. Descobriu que o problema não era exatamente com o conteúdo – as pessoas gostavam do Post –, e sim com o papel. A maioria dos entrevistados consumia notícias em plataformas digitais, mas não suportava pensar nas pilhas de jornais velhos amontoados pelos cantos da casa.
A pesquisa foi feita em 2005. Desde então, a receita dos jornais com publicidade caiu mais de 50%, emagrecendo o Post e a maior parte dos outros jornais americanos. Mesmo com exemplares mais fininhos, o impresso continua, de maneira geral, rejeitado pelos leitores abaixo dos 45.
Em artigo na Editor&Publisher, o consultor de tecnologia para empresas de mídia e ex-editor Alan D. Mutter, autor do blog Newsosaur, avalia que as editoras precisam começar a entender as diferenças entre os consumidores que têm e os consumidores que gostariam de ter. Qualquer esforço sério das editoras para migrar seu conteúdo para o meio digital precisa decifrar, em primeiro lugar, os “Nativos Digitais” – ou seja, aquelas pessoas que cresceram diante de todo tipo de tela: monitores de computador, televisões, iPods, Xboxes e, mais recentemente, tablets.
Como o Washington Post descobriu na pesquisa de 2005, um dos principais motivos para os Nativos Digitais não lerem jornais era o peso de carregar algo. Eles não querem ter CDs, armazenar livros de papel, andar com dinheiro vivo, comprar carros; preferem usar seus smartphones para comprar, emprestar ou roubar conteúdo de mídia.
Hoje, a estratégia digital tomada pela maioria das editoras é transportar o conteúdo do jornal impresso para a internet e de lá transportá-lo para os aparelhos móveis. Isso não satisfaz as gerações que não só ficam extremamente à vontade com o consumo tecnológico, como sabem se apoderar das novas mídias – mais do que ser simples espectadores, estas pessoas querem participar das notícias, o que explica o sucesso de sites e redes sociais especializados em compartilhamento de conteúdo, como Facebook, Twitter e YouTube.
Acredita-se que as necessidades das gerações digitais vão provocar mudanças nos mais diferentes setores – do turismo aos planos de saúde. Falta saber como os jornais vão se adequar a elas.
 
Publicado originalmente no Observatório da Imprensa
 
 

Como foi sua experiência?

Receba nossos melhores conteúdos sobre lançamento.