#Autopublicação digital revela autores desconhecidos

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

São Paulo – O americano Hugh Howey queria vender cinco mil exemplares de seus livros ao longo da vida. Ele se dedicaria à literatura por 10 anos até que começasse a contabilizar o resultado. A meta acabou se revelando modesta.
Nos dois primeiros anos, foram cerca de 4 mil exemplares. E então publicou Wool, o primeiro da série digital Silo. “Vendi mil cópias num mês, 3 mil no seguinte, 10 mil no terceiro mês”, disse durante sua passagem pela Bienal do Livro de São Paulo.
Ele administra bem a expectativa. “Faço isso dizendo a mim mesmo que amanhã nunca será como hoje. Mas publico há três anos, e só melhora”, brinca o autor de ficção científica cuja estreia foi por uma editora pequena. No entanto, ele logo percebeu que seria mais feliz cuidando das edições do começo ao fim.
Howey rasgou o contrato do segundo livro e partiu para a autopublicação, e credita o sucesso a dois fatores: o boca a boca e a produção intensa. “Não tem propaganda melhor do que fazer o próximo livro, e o seguinte, e mais um. E com a autopublicação posso disponibilizar o livro uma semana após ter terminado o trabalho e não esperar um ano para sair por uma editora tradicional. Não quero que o leitor tenha de esperar.”
Logo, os direitos foram vendidos para o cinema e os agentes literários apareceram, querendo negociar a obra, disponível em e-book na Amazon – ele publica pela KDP, plataforma da gigante americana – e para impressão sob demanda.

“Com a autopublicação posso disponibilizar o livro uma semana após ter terminado o trabalho”, diz autor Hugh Howey

A Intrínseca foi a primeira editora a comprar os direitos de Silo – hoje, o livro está em 32 países e contabiliza cerca de 2,5 milhões de exemplares vendidos em e-book e papel.
O exemplo de Howey não é o único e é cada dia mais comum ver autores independentes chamando a atenção das editoras. Alguns se rendem mediante um bom adiantamento. Outros fazem contratos híbrido: ficam com os direitos digitais e vendem os do livro físico.
Aqui, a moda também está começando a pegar. FML Pepper, dentista de Niterói, que também participou da Bienal, tem dois e-books pela KDP – Não Pare, Não Olhe (nessa segunda, o 17.º e-book mais vendido da Amazon), vai lançar Não Fuja e acaba de vender os direitos para a Valentina, que os lançará em papel em 2015. Sua história é curiosa: rejeitada por editoras, ela foi aprender nos EUA.
“Todos os casos de sucesso na autopublicação vinham de lá e queria me tornar um deles. Fui a conferências, estudei, corri atrás”, conta.
“Um bom sinal de que a autopublicação está funcionando é que entre os top 100 da Amazon sempre há alguns da KDP”, comenta Alex Szapiro, diretor da empresa. Além dela, há várias outras (Clube de Autores, PerSe, Publique-se, e-galáxia, Publiki, etc.), com diferentes características. Publicar um livro nunca foi tão fácil e barato. A garantia do sucesso é que são outros quinhentos.
 
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
Publicado originalmente na Exame

5/5 - (2 votes)

Receba nossos melhores conteúdos sobre lançamento.