LinkedIn disponibiliza seus dados para vender anúncios na web

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

O LinkedIn juntou-se ao rol de redes sociais que comercializam anúncios na internet. O novo produto, lançado nesta quinta-feira, 19, permitirá que anunciantes escolham segmentos da audiência da rede social – vice-presidentes de vendas da indústria de finanças em Nova York, por exemplo – para veicular anúncios na web. Cada marca poderá segmentar até mil pessoas.
“Essa é a primeira vez que integramos um produto que permite às marcas o alcance de nossa audiência fora do LinkedIn”, afirma Russell Glass, head of products do departamento de Marketing Solutions da plataforma.
A decisão do LinkedIn acompanha o movimento de outras empresas de social media, que têm percebido o valor de seus dados no amplo território da web. O Facebook, por exemplo, disponibilizou dados do login para serem usados no Atlas e ajudar anunciantes a conectar identidades no desktop e mobile. E o Twitter lançou um produto que permite a segmentação de Promoterd Tweets no Flipboard e no Yahoo Japan.
Porém, o LinkedIn é a rede que está oferecendo a segmentação mais precisa, ao permitir que as marcas escolham exatamente o tipo de profissionais que querem atingir. A empresa tem um acordo com publishers e com a unidade de ad Exchange AppNexus, oferecendo acesso a inventário ilimitado.
A plataforma vem se preparando para o lançamento desde que comprou a Bizo, empresa especializada em tecnologia de publicidade B2B. No ano passado, a rede social conquistou cerca de meio bilhão de dólares em receita publicitária.
O LinkedIn também lançará uma ferramenta de segmentação de anúncios B2B para integrar seu programa Lead Accelerator. O produto permitirá que marcas veiculem anúncios com mensagens diversas em locais específicos do site visitados pelos possíveis clientes.
Segundo Glass, caso o visitante acesse uma página de preços – o que indica a intenção de selar um acordo – ele pode receber uma mensagem diferente do que aquela enviada a um cliente que está visitando o site pela primeira vez. O anúncio pode ser exibido no LinkedIn e em outros sites, inclusive o Facebook.
A oferta é uma versão da automação de marketing, prática executada com frequência via e-mail. A automação por e-mail é limitada em escala já que 95% dos visitantes do site não informam seus e-mails. A Lead Accelerator deixa que os visitantes permaneçam anônimos e envia mensagens específicas de acordo com o estágio do ciclo de vendas em que se encontram.
Anunciantes pagam ao LinkedIn para usar o Lead Accelerator com base no número de usuários que querem atingir. O mínimo exigido pelo produto são 20 mil pessoas, e cada um deles receberá entre 10 e 30 anúncios por mês.
 
Publicado originalmente no site Proxxima

Como foi sua experiência?

Receba nossos melhores conteúdos sobre lançamento.