Pink e Cérebro como modelo de Startup

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Lembra dos ratinhos brancos do laboratório da Acme, Pink e Cérebro? Todos os dias eles elaboram um plano novo e mirabolante para conquistar o mundo, mas no final nunca conseguem. Alguma coisa sempre dá errado.
Embora pareça engraçado na TV, infelizmente, muitas Startups têm uma história bem parecida com a dos camundongos do desenho animado por falta de um planejamento mercadológico mais robusto.

 

O que é uma Startup, afinal?

Para quem não sabe o que é, Startup é uma empresa em fase de desenvolvimento. Ela é criada por um grupo de dois ou três fundadores, em geral pessoas ligadas à área de novas tecnologias com alguma ideia inovadora, e financiada desde o seu nascimento por Anjos (Investidores Pessoa Física) ou VCs (Venture Capital – Capitalistas de Risco). A empresa cresce rapidamente, sem a preocupação de gerar faturamento ou lucro para manter a operação, pois o dinheiro dos investidores cumpre este papel.
Com o tempo ela desenvolve um modelo de negócio que pode gerar bastante retorno financeiro.
O interesse do investidor é se associar ao negócio no início do seu desenvolvimento, quando o modelo ainda está amadurecendo, e lucrar muito, depois, quando o produto estiver consolidado no mercado e valendo muitas vezes mais do que o valor que foi investido inicialmente. O interesse dos fundadores é colocar suas ideias em prática, e também, obviamente, lucrar com isto.
A Startup em geral é um esforço de 3 a 5 anos, prazo em que o negócio ganha forma e se torna grande o suficiente para que se realizem os lucros. Neste meio tempo os fundadores vivem de salário e bônus, e o investidor da expectativa dos resultados (acompanhados de perto com métricas pré-estabelecidas).
 

Mas, Startups não vivem só de ideia…

Para iniciar uma Startup não basta só uma ideia inovadora mas, planejamento, metas concretas e saber apresentar (e vender) a ideia. Nesta fase é muito importante saber medir o potencial do negócio, os riscos envolvidos e construir de forma sólida o business plan. Muitas vezes quem tem uma boa ideia, pode até entender da ideia em si, de sua produção, mas muitas vezes, a maioria delas, não sabe gerenciar o próprio negócio e levá-lo adiante.
Muitos empreendedores acabam morrendo na praia com bons projetos debaixo do braço porque nem sempre sabem pensar o processo de marketing como um todo, muito além do produto final.
Esta é a hora de pensar em dividir para multiplicar, ou seja, é melhor ganhar 10% de 100 do que 100% de 2. O que eu quero dizer é que ninguém domina todos os campos de conhecimentos sozinho, por isso a importância de pensar o negócio multidisciplinarmente, com o maior número possível de cabeças em áreas diferentes de atuação, focadas num mesmo plano para transformar a oportunidade de vender 2x em possibilidade de vender 100x, 1.000x
O sucesso de qualquer Startup está na forma como esta associação estratégica acontece com a finalidade de cuidar do produto desde a sua concepção, passando por estudos de mercado, planejamento de marketing até a entrega do produto ao cliente final. Quanto melhor realizado este estudo e a sua aplicação, maiores chances de rentabilidade terão as Startups.
 
Então, vamos planejar?
Se gostou, deixe seu comentário aqui em baixo e compartilhe o artigo.
Até a próxima!

5/5 - (7 votes)

Receba nossos melhores conteúdos sobre lançamento.