Um futuro sem editores?

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

“Você ama sua editora?” Esse foi o título de recente pesquisa conduzida pela Writer’s Worshop, consultoria na área editorial que auxilia escritores de primeira viagem. Foram ouvidos 300 autores no Reino Unido. Quase 40% haviam publicado seis livros ou mais, e 26%, no mínimo, três, dados que medem a relevância dos entrevistados. Além disso, 70% tiveram uma obra editada no último ano. Portanto, são autores da mais recente safra e, pode-se concluir, bem informados sobre os rumos do mercado.
A pesquisa investigou o quanto os autores estavam satisfeitos com suas editoras nos mais variados aspectos: da escolha da capa ao pagamento, passando pela campanha de marketing e pelo feedback recebido. O único ponto de crítica foram as campanhas de lançamento: 33% dos escritores não foram consultados sobre elas, e 31% o foram, mas consideraram seu envolvimento marginal. Outros 16% disseram que foram ouvidos, mas apenas para constar. Somadas, as respostas que classificaram as editoras como boas ou excelentes revelaram um índice de 75% de satisfação.
À primeira vista, pode parecer que o mercado editorial vai bem, obrigado. Porém, na mesma enquete, foi perguntado aos autores se eles já tinham publicado livros de forma independente ou se consideravam a possibilidade de fazê-lo no futuro. Menos da metade (44%) nunca pensou na hipótese. Na outra ponta, surpreendentes 29% estão, no mínimo, considerando a autopublicação no futuro, e 27% já lançaram mão do recurso. Somando os dois grupos, é possível afirmar que 56% dos autores simpatizam com a ideia de tornarem-se independentes.

 
Respostas não apontam caminho

As respostas fazem sentido. Quatro escritores independentes estavam na lista de ebooks mais vendidos do “New York Times” no primeiro fim de semana de agosto. O mais bem cotado deles, Colleen Hoover, aparecia em oitavo lugar, com o romance “Slammed”, à frente de autores como James Patterson e Karin Slaughter. No passado, a autopublicação era uma aventura custosa: era preciso gastar com a impressão e torcer para ser bem exposto em livrarias. Com as plataformas de publicação digitais, o custo é mínimo: basta investir na revisão e na capa. Além disso, o autor pode publicar sua obra simultaneamente em vários países, distribuindo seus livros através da Amazon, da Apple e de sites de publicação independentes como o Smashwords. Nos EUA, o gênero ficção já está vendendo 70% nessas plataformas.
Então o futuro do mercado editorial está na autopublicação? A mesma pesquisa permite afirmar que é cedo para saber. Uma outra questão foi feita a respeito do tema, com diferente abordagem. As respostas revelam como os autores estão confusos sobre o assunto. Diante de outra forma de perguntar — “Se você ainda estiver escrevendo nos próximos cinco ou dez anos, acha que ainda terá uma editora tradicional?” — os resultados parecem contraditórios. “Sim, muito provavelmente” foi a resposta dada por 48%. Somente 13% declararam que não, e 37% disseram não saber.
Pode parecer sutileza, mas é diferente perguntar a um autor se ele considera trilhar um caminho independente do que questioná-lo se, no futuro, ele ainda estará ligado por contrato a uma editora. Um livro independente pode ser um projeto efêmero. Já a decisão de se dispensar uma editora tem que ser amadurecida. A chave para entender o nível de incertezas que ronda o mercado parece estar nos 37% que não sabem o que farão.
 
Fonte: Adriana Barsotti | O Globo Blogs
 
 

Como foi sua experiência?

Receba nossos melhores conteúdos sobre lançamento.