Cinco tendências atuais do mercado editorial

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Existem algumas tendências de marketing para o mercado editorial para as quais o autor de livros, seja ele independente ou contratado por uma editora, precisa se preparar melhor se quiser encontrar o “para quem escrever”, o “sobre o que escrever”, o “como” e o “onde disponibilizar sua obra”.
Vamos, então, às cinco tendências do mercado editorial que já estão se consolidando pelo mundo todo rapidamente e que afeta diretamente como se compra e como se lê livros atualmente.
 

1- Crescimento do mercado editorial digital e de autopublicação

A verdadeira revolução do mercado editorial encontra-se, atualmente, na distribuição e no acesso ao livro e não na plataforma de leitura.
(Carlo Carrenho)

Não é mais hora de discutir se é melhor ler na tela ou no papel. Esse discurso já está superado. A questão é que, através do meio digital, consegue-se distribuir o livro de forma muito mais eficaz e mais rápida, além da possibilidade de permitir o acesso a uma biblioteca mundial. A distribuição digital do livro permite a democratização da leitura como nunca havia acontecido antes na história da humanidade.
Além disso, essa nova forma de entregar o livro/conteúdo ao leitor, possibilita que não somente as grandes editoras, mas também as pequenas editoras e os autores independentes coloquem suas obras disponíveis para serem adquiridas em todo o globo.
 

2- Publicação para nichos e especialização de conteúdos

Cada vez mais os escritores precisarão encontrar um nicho de mercado e falar com um público específico. A tecnologia e a globalização ultrapassaram as barreiras geográficas e potencializou a descoberta e utilização dos nichos. Um eBook ou livro editado no Brasil, em português, por exemplo, pode ser adquirido em qualquer outro país do mundo onde se fale a língua portuguesa.
Será cada vez mais raro o lançamento de grandes bestsellers, ou seja, um livro que seja feito para todo mundo ao mesmo tempo, para todos os gostos, que todos queiram comprar,  já que o mercado de livros está ganhando contornos cada vez mais especializado e direcionado para um público alvo selecionado e que busca produtos e serviços personalizados.
 

3- Tendência de novas formas de consumo

O novo consumidor não se limita mais a adquirir o livro em apenas uma plataforma ou mídia, ou seja, este novo consumidor adquire o conteúdo, a história e não mais o papel, o livro impresso. Hoje o mercado editorial concorre com toda a indústria de entretenimento, isso sem contar a internet. O consumidor é quem decide como quer comprar a história, se será em livro impresso, livro digital, audiolivro ou até em filme.
Os autores e editoras precisam aprender a oferecer o conteúdo quando, como, onde e por quanto o consumidor está disposto a pagar.
 

4- Tendência ao desaparecimento ou transformação das livrarias e crescimento do e-commerce

A Barnes & Noble, uma das maiores redes de livrarias dos EUA, pretende fechar 1/3 das lojas físicas durante a próxima década; O Reino Unido perdeu 7% das livrarias independentes em 2012; A receita das livrarias nos EUA perdeu 0,5% em 2012.
As livrarias estão, aos poucos, deixando de ser o único lugar onde se compra livros.
Cada vez mais o e-commerce cresce em comparação às redes físicas. No entanto, nunca uma livraria on-line vai permitir a mesma experiência de descoberta de uma loja física.
 

5- Tendência do consumidor gastar mais tempo com outros tipos de entretenimento do que com livros

Como nós já vimos anteriormente, a forma de adquirir o conteúdo dos livros está mudando. Consequentemente, o consumidor ou leitor de livros está gastando mais tempo com outras formas de passar o tempo além do livro.
A concorrência do livro não é mais só com outro livro. Hoje existe uma série de produtos substitutos ao livro. O livro disputa espaço e tempo com o filme, com o video game, com as redes sociais, com portais da internet, com o entretenimento em família, com o trabalho, etc.
O jeito de contornar isso é pensar o livro além do livro. A evolução é inevitável. É preciso se adaptar rápido a este novo modelo de consumo para se obter alguma vantagem competitiva no mercado editorial.
O conteúdo as editoras e autores já possuem ou estão trabalhando nele, falta agora aprender a entregá-lo nestes novos formatos.
 
Pense nisso e deixe seu comentário aí!

Como foi sua experiência?

Receba nossos melhores conteúdos sobre lançamento.