O mundo “pós-livraria” está chegando

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

“Estamos focados no que chamamos de ‘nosso mundo do livro pós-livraria’”.
“Neste mundo de livrarias em declínio, é nossa obrigação chegar ao consumidor”.
“Agora, o que nós fazemos – incluindo coisas como metadados e cópia do marketing, não é mais para chegar a um comprador [distribuidores, livrarias, etc.], é chegar a um consumidor”.
Com estas frases, os executivos Marcus Leaver, COO da editora britânica de livros ilustrados Quarto, e Gary Gentel, presidente da Houghton Mifflin Harcourt, editora de livros didáticos norte-americana, mostraram o que se passa na mente dos executivos de editoras dos principais mercados editoriais do mundo. A percepção do declínio das livrarias, e sua função como intermediárias na venda de livros, com o avanço do formato digital, foi a tônica de uma das principais mesas do DBW 2013.
Leaver acredita que, em 2014, as livrarias serão responsáveis por menos de 15% das vendas em sua editora. Por isso, ele aposta em buscar e vender diretamente para o consumidor. Como a editora faz isso? Desenvolvendo comunidades de consumidores focadas em assuntos/tópicos específicos, buscando administradores de comunidades que possam lançar os livros entre varejistas-chave e consumidores. Nas palavras de Leaver, “é preciso mais que um bom site, porque nós nunca teremos um site tão bom quanto a Amazon”.
Outra executiva presente na mesa, Karen Lotz, da Candlewick Press, que define sua editora como de porte “médio”, ressaltou a dificuldade para a sua empresa fazer a transição do modelo de negócios entre empresas, para outro focado no consumidor. “A infraestrutura, os tributos, para uma editora de tamanho médio é desafiador”.
Se adotarmos a visão dos executivos, o mundo pós-livraria já não é mais uma questão de “se” irá acontecer, mas de “quando”. O cenário do Brasil, claro, ainda está alguns anos defasado em relação ao mercado editorial dos EUA. Naquelas bandas, o mercado de ebooks começou a decolar em 2009. Por conta disso, hoje em dia nenhum livreiro pensa seriamente em procurar outro negócio. Porém, daqui a 4 ou 5 anos, é bastante plausível que o Brasil viva uma situação semelhante à esta, descrita pelos executivos americanos. É uma questão de tempo, basicamente, até o Brasil alcançar uma base de aparelhos e estrutura de internet similar à americana. Quando tablets (e ereaders, quem sabe) se tornarem itens mais banais, corriqueiros, inclusive em cidades pequenas e médias do interior do país, a base de telefones celulares for quase toda baseada em smartphones e a internet móvel estiver efetivamente difundida e operacional na maioria das cidades com mais de 50, 100 mil habitantes… quando estas condições se colocarem, os mesmos fenômenos mercadológicos de mídia e conteúdo digital, se manifestarão aqui e provocarão as mesmas consequências que se assistem hoje nos EUA.
 
Fonte: Revolução eBook | DBW e PP
 
 

Como foi sua experiência?

Receba nossos melhores conteúdos sobre lançamento.