O verdadeiro “calvário” dos e-books

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Somos 3.500 membros no grupo “Livro digital: desafios e oportunidades do mercado editorial brasileiro” neste 21 de abril de 2015.
E desde o ponta-pé “oficial” dos livros digitais no Brasil (5/12/2012), nunca vivemos, efetivamente, um momento de tão grandes desafios e oportunidades.
A revista “Isto é”, no Brasil, e outras publicações estrangeiras vaticinam: Os livros digitais vivem seu “calvário”, perdem fôlego em mercados mais avançados e, no Brasil, não adquirem relevância!
Mas, será que é isso mesmo? E se assim o for, quais as (reais) causas?
Mais: de uma forma mais ampla, deixando de lado os e-books, sobraria alguma coisa no mercado editorial atual (especialmente o brasileiro, que é o que nos interessa) para comemorarmos?
Somos 3.500 membros nesse grupo e, penso, é chegado um momento de reflexão.
O livro digital, o verdadeiro livro digital, me parece, ainda não surgiu, ainda não foi compreendido e implementado. Especialmente no Brasil.
Porque para isso, a produção desse mesmo livro digital precisa seguir outros modelos e parâmetros bem diferentes dos atuais.
Hoje, essa produção está totalmente atrelada ao livro físico, e isso dificulta a percepção das reais diferenças existentes entre um produto e outro (físico e impresso).
O livro digital ora implementado no Brasil nada mais é do que um simulacro, empobrecido, do “original” impresso. Não quero dizer com isso, que o livro digital deva ser game. Game é game e livro é livro. Um livro é no fundo um banco de dados, uma base de conhecimento.
Aos editores, interessam os dois, impresso e digital. Não é (nunca foi) um versus o outro. O livro digital deve ser uma evolução, uma inovação. Se não o enxergamos assim, é porque alguma coisa está errada.
Precisamos abrir a cabeça (e o coração, por que não?).
Volto a repetir o que já digo há alguns anos: o livro é o software.
Explico: o modelo do livro digital — que não significa (friso) apenas o livro de bits, mas também o de celulose, mas gerado a partir de um workflow digital, com customizações, atualizações, etc — o modelo desse novo livro, que obrigatoriamente deve incorporar inovação, está, a meu ver, na própria evolução do conceito e do mercado de software.
Não precisamos reinventar a roda. Basta termos coragem de seguir em frente.
Portanto, o livro digital deve ser pensado como um produto a parte, independente do livro impresso. Isso é fundamental para a evolução desse livro digital que realmente queremos, que realmente significará alguma disruptura nesse mercado.
Liberdade, ainda que tardia, para o livro digital!
Forte abraço,
Claudio Soares

Como foi sua experiência?

Receba nossos melhores conteúdos sobre lançamento.